Posts found under: crianças Archives - Colégio Evolve - Telefones: (11) 3502-7100 – (11) 99990-5440

Podemos sim! Todos juntos!

Em tempos de confinamento, o primeiro ponto que merece ser destacado é a mudança abrupta e repentina em nossas vidas, seguida de excesso de informação sobre o desconhecido que parava o mundo.

Na medida em que os muros se erguiam nas diferentes cidades, a quarentena se configurava e nossas preocupações se multiplicavam. Nos distanciamos dos amigos, dos parentes e até dos vizinhos. Ficamos encarcerados em nós mesmos. Felizmente, a tecnologia ainda que virtualmente encurtou as distâncias.

Nesse novo cenário, enfrentamos o desafio da convivência com aqueles que estão confinados juntos de nós. Tivemos que criar uma nova rotina e fazê-la funcionar. Agora, é momento de estarmos com o outro. Tempo de ensaiar como transitar nas relações e como trilhar novos caminhos. Tudo isso vai passar e nós vamos retornar a nossa antiga rotina mais experientes, mais resilientes e sedentos de viver um novo tempo.

Nós, aqui do Evolve, desejamos lembrar do nosso projeto institucional desse ano: Podemos sim! Todos juntos! E agora, mais do que nunca, construir um novo tempo.

Espero vocês o mais breve possível, até logo!

Rosângela Hasegawa.

Leia mais...

Covid-19: Reflexão para este momento

Um menino abraçando sua mãe

Olá, Famílias!  
Desejo compartilhar com todos,  um texto muito interessante, que diz: “quando menos é mais”.
Farei um breve resumo para vocês:


Não é fácil dizer qualquer coisa em um momento como esse que estamos vivendo. Uma pandemia nunca vivida por nós, com consequências tão graves quanto complexas, como perda de vidas, de empregos, entre outros transtornos.


Façamos breve “reflexão” sobre  uma pequena fração dessa situação, do ponto de vista do “CONVÍVIO MAIS INTENSIVO COM NOSSAS CRIANÇAS” durante a quarentena.


Para algumas famílias, impõe-se o “desafio da convivência intensa”.
Nunca foi tão importante olharmos para as duas pontas da sociedade: os idosos e as crianças. O que fazer com nossas crianças? O momento é desafiador. 


Além de darmos conta das tarefas de casa e do trabalho, temos as escolas dando continuidade às atividades. Nesse momento, pode surgir a dúvida: o que mais podemos fazer para elas e com elas?Vai aqui, algumas dicas de como podemos propor menos e integrar mais:  como assim?Dependendo da idade da criança, podemos incluí-las nas atividades domésticas, mesmo que depois tenhamos que refazer algumas, como: varrer a casa, arrumar a cama ou guardar os brinquedos.  Essas atividades ensinam que somos parte de um todo. Mostrar também que o bem-estar do lar é responsabilidade de todos e o coletivo é um dos aprendizados que a vida em família nos proporciona. 


Brincar é a linguagem genuína da criança. O que isso significa? Mesmo que não façamos nada, a criança vai encontrar um jeito de brincar. Esse é o modo de se expressar no mundo. Se disponibilizarmos panelas, que usamos pouco, pedaços de madeiras, bacias, colheres de pau, embalagens vazias, garrafas pet ou tecidos, daremos a elas um mundo de possibilidades para a invenção de novas brincadeiras. Elas adoram reproduzir a realidade à sua maneira. Eu sei que isso pode parecer difícil, mas quem sabe aprendemos a relaxar com a bagunça! Quando chegar o final do dia, que tal arrumarmos os ambientes todos juntos? Será que dará certo?Estamos passando por um momento de alto estresse e, se for possível, tolerar um pouco mais de desordem pode ser bom para todos.Toda a crise é também oportunidade. O momento que estamos vivendo é histórico e certamente lembraremos dele com dor, pelas inúmeras perdas, mas também podemos criar: Memórias Afetivas em Nossas Crianças. 


No aconchego de seu colo, com paciência e afeto, diga a seu filho: VAI FICAR TUDO BEM! Essa segurança e cumplicidade será a memória que ele guardará por muito tempo.

Rosângela Hasegawa.

Leia mais...

Mudar de escola no meio do ano? Como deixar o processo mais fácil para seu filho

Quando seu filho está prestes a mudar de escola, a situação pode ser desconfortável tanto para a criança, que vai ver sua rotina alterada, quanto para os pais, preocupados com a adaptação do filho no novo ambiente. Como deixar este processo de mudança mais fácil para ambos os lados?

Rosângela Hasegawa, diretora do Colégio Evolve de Educação Infantil, explica que a mudança torna-se mais fácil quando os pais escolhem o ambiente adequado para seu filho. Para isso, é importante que eles saibam o que eles esperam de uma instituição de ensino, pesquisem muito e façam perguntas na hora de visitar os locais.
“Levem a criança para conhecer os espaços físicos, como a sala de aula, o parquinho e os banheiros, e, se possível, inclusive os professores antes do início das aulas”, explica. “Quando a criança vai ao colégio, os pais percebem se ela se sente confortável com o ambiente e com os funcionários”.

Aproveite também para conversar com os pais de alunos na hora da saída. “As respostas deles sobre o colégio podem confirmar suas impressões iniciais sobre a instituição”, afirma Rosângela.
Em relação às transferências que ocorrem durante a fase da Educação Infantil, a educadora alega que o aluno pode entrar em qualquer época do ano, uma vez que sua adaptação ao novo ambiente depende bastante do adulto que estará com eles ao longo do ano letivo. Por isso, busque conhecer os professores que estarão com seu filho.
Procure saber como o colégio lida com a aprendizagem da criança, perguntando sobre a metodologia de ensino e os professores. “Pergunte sobre a formação continuada deles e há quanto tempo estão na instituição, porque se houver uma rotatividade muito grande, não há continuidade e, portanto, algo não está bem”, aconselha Rosangela.

Um colégio, contudo, deve ir além do conteúdo curricular e do cuidado com as crianças. Por isso, procure também instituições que também ensinem valores compatíveis aos da família e que estimule o desenvolvimento cognitivo, físico e social do aluno. Outra dica para que a criança se adapte melhor ao novo ambiente é não idealizar a nova escola ao falar sobre a mudança com seu filho.

“É preciso preparar a criança e dizer a verdade, que talvez não seja muito fácil e que ela pode demorar alguns dias para conhecer todo mundo”, aconselha Rosângela. “Além disso, reforce que você estará ao lado dele para o que precisar, porque o seu apoio e o da escola farão toda a diferença neste processo”.

Leia mais...

Crianças mimadas

Crianças mimadas

A proteção em excesso dos pais pode ser prejudicial aos pequenos

Quando algo não acontece como elas querem é aquele circo: choram, esperneiam, fazem birra, enfim, recorrem a tudo para esgotar a paciência dos adultos até conseguir o que desejam.
Com a superproteção dos pais, não é difícil encontrar uma criança mimada por aí. Porém, para o próprio bem da criança – e da família – é preciso contornar a situação o quanto antes.
(mais…)

Leia mais...

Educação: os riscos da lição de casa em excesso

A lição de casa é parte fundamental do aprendizado: é através dela que as crianças podem fixar os conteúdos passados em aula e desenvolver suas habilidades na resolução de exercícios. No entanto, quando ela é excessiva – principalmente no caso dos pequenos que ainda estão na Educação Infantil – pode acabar trazendo mais aspectos negativos do que positivos, como desânimo com os estudos.
(mais…)

Leia mais...

Como envolver os pequenos na festa de Natal

Como envolver os pequenos na festa de Natal

Descubra maneiras de ensinar o significado da data aos filhos, fazendo-os participar da festa

O Natal se aproxima e todos aqueles bons sentimentos chegam com ele: paz, amor, solidariedade, perdão, união etc. Também surge uma ótima oportunidade de envolver as crianças com a data, sem que um presente seja o pivô da história. Como?
(mais…)

Leia mais...

Comportamento Infantil: Como ensinar o altruísmo

Pesquisa indica que o altruísmo é uma característica desenvolvida, não inata. A receita não é nova, mas precisa ser reforçada: os pais ainda são o melhor exemplo

O altruísmo, entendido como a inclinação a ajudar os outros, gera inúmeros debates entre o meio científico. Seria essa uma característica inata ou algo que desenvolvemos ao longo da vida? De acordo com uma pesquisa realizada na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, o mais provável é que a segunda opção esteja correta.
(mais…)

Leia mais...

Como as crianças escolhem os brinquedos?

Os brinquedos, jogos e brincadeiras são de fundamental importância na vida da criança e devem estar presentes na rotina, para estimular capacidades como concentração, memória, e promover desenvolvimento físico, intelectual, emocional. “Estimular os filhos a brincar com uma variedade de opções, independentemente do sexo, favorece o desenvolvimento de habilidades importantes para a vida adulta”, afirma a psicopedagoga Michelle Pereira de Moraes Leite, do Evolve Berçário e Colégio Infantil, em São Paulo.

No entanto, muitos pais e até educadores insistem em separar os brinquedos de menina e brinquedos de menino. “Entendo que os pais não gostam de ver a filha brincar com carrinho ou o filho com boneca, mas, para a criança, no momento da interação com o brinquedo, é apenas um brinquedo. Para ela, não há essa diferença ao brincar com algo que socialmente pertence a outro gênero. Essa diferença só existe na cabeça dos adultos”, diz.

Como as crianças escolhem os brinquedos?

Ela explica que realmente existem diferenças no desenvolvimento de certas áreas do cérebro, o que faz com que meninos sejam mais ligados a questões visuais (e utilizem brinquedos como ferramenta para empilhar, montar) e meninas a linguagem e afetividade (sendo mais atraídas por bonecas, por conta do rosto). E diz que a “troca de papéis” nas brincadeiras não influencia na orientação sexual das crianças e ainda ajuda a aprender a lidar com as próprias emoções.

Tem diferença entre brinquedos de menino ou menina?

“Os meninos também têm hormônios femininos, só que em menor proporção. Ao brincarem de boneca, ficam mais compreensivos, mas é diferente da maneira que as meninas brincam. Não quer dizer que ele tem preferência por esse brinquedo, apenas que está explorando o objeto ou reproduzindo o que já viu, como o pai cuidando de um irmão. Por que privar a menina de brincar de carrinho se, no dia a dia, ela vê sua mãe dirigindo? Na brincadeira não tem sexo, todos têm os mesmos direitos”, diz.

O problema é que, quando se espera de um menino ou uma menina os padrões a serem seguidos, costuma-se cair no preconceito. “É normal que, na fase do desenvolvimento infantil, as crianças queiram explorar variedade de brinquedos. Se os pais passam a reprimir a exploração, podem prejudicar o desenvolvimento do filho. Por isso, não devem fazer diferenciação de gênero”, afirma.

O mesmo vale para as escolas, pois, quando mantêm esses estereótipos, as crianças passam a reproduzi-los no cotidiano e se torna algo negativo. “As crianças precisam vivenciar para descobrir coisas novas”, finaliza.

Bolsa de Mulher

ColegioEvolve

Leia mais...

Fonoaudióloga

Com muita alegria, recebemos no Evolve, Viviane Gurfinkel, fonoaudióloga, para um bate papo com as famílias.

Viviane é especialista em Motricidade Orofacial e Fisiologia aplicada à Fonoaudiologia.
É Presidente da Diretoria Executiva da ASSIMP – Associação Internacional do Método Padovan.
Trabalha com Beatriz Padovan desde 1984.

O método Padovan pode ser aplicado como reabilitação ou prevenção/manutenção de todas as funções motoras e cognitivas.
Utiliza-se o Método Padovan de Reorganização Neurofucional para recuperar funções perdidas, funções nunca adquiridas, ou ainda para preparar o organismo para que possa adquirir funções e capacidades para as quais tenha potencial e que, por falta de estímulos ou por outro motivo qualquer, não tenha tido a oportunidade de se manifestar.

A técnica pode ser aplicada em todas as faixas etárias, do bebê à terceira idade, com excelentes resultados.

EvolveFono

Leia mais...

Ética na Infância – Jurema Esteban na RedeVida

Ética na Infância

Dalcides Biscalquin, apresentador do Programa Escolhas da Vida, na Rede Vida TV, mais uma vez nos convida para falarmos em seu programa sobre ética na infância.

Jurema Esteban, Gestora e Diretora Pedagógica do Colégio Evolve fala sobre o tema e orienta os pais qual a melhor forma de trabalhar o assunto junto as crianças

Leia mais...
Rua Clementine Brenne, 385 | Morumbi – São Paulo / SP – CEP:05659-000 | contato@colegioevolve.com.br
Telefones: (11) 3502-7100 – (11) 99990-5440